5 mitos sobre cirurgia bariátrica

5 mitos sobre cirurgia bariátrica

Mito 1: suplementos de vitaminas e minerais não são necessários

Pacientes submetidos à cirurgia bariátrica consomem menor quantidade de calorias e, como consequência, menor quantidade de vitaminas e minerais. Além disso, com a alteração no trânsito digestivo, comum na maioria das técnicas cirúrgicas, há alteração no local específico para absorção das vitaminas e minerais.

Em função disso, os pacientes precisam receber uma quantidade maior de micronutrientes para vencer essa parcial incapacidade de absorção de nutrientes essenciais para manutenção da saúde. Portanto, o uso de polivitamínicos e poliminerais faz parte da rotina do paciente bariátrico. Diferente do que pensam algumas pessoas, os polivitamínicos não engordam, pois não possuem valor calórico.

Mito 2:  pacientes bariátricos ficam fracos e perdem muita massa muscular

Quem faz acompanhamento clínico regular e adere a suplementações adequadas não apresentará, obrigatoriamente, deficiências nutricionais.

Todas as deficiências podem ser prevenidas através de suplementos específicos e hábitos alimentares saudáveis. Além disso, os pacientes bariátricos podem perder massa muscular no primeiro ano de pós-operatório, quando a perda de peso é mais intensa. No entanto, essa situação pode ser controlada com uso de suplementos específicos.

A perda de massa muscular dos pacientes submetidos à cirurgia bariátrica não parece ser maior do que a perda de músculos que ocorrem nos pacientes que perderam peso com tratamento clínico tradicional, com dieta e medicamentos.

Mito 3: pacientes submetidos à cirurgia bariátrica absorvem pouco das calorias da alimentação

Estudos recentes mostraram que há certo impedimento para a absorção de micronutrientes, no entanto, não possuem grandes dificuldades em absorver calorias, carboidratos e proteínas.

Os carboidratos são quase que totalmente absorvidos, as proteínas sofrem redução de cerca de 5% na sua absorção e isso não parece atrapalhar o resultado total, já as gorduras sofrem maior redução: de 25 a 30% após o Bypass Gástrico. Algo perto de 10 a 12 gramas de gordura são perdidas diariamente, em média, pelas fezes.

A absorção nas calorias reduz de 10 a 11%, o que está relacionado à diminuição na absorção de gorduras. Esses resultados mostram que a cirurgia bariátrica parece possuir efeitos metabólicos que superam a possível dificuldade na absorção de calorias, ou seja, o efeito principal da cirurgia na perda de peso não se deve à má absorção de calorias.

Mito 4: suplementos de proteínas só são necessários para pacientes que fazem atividade física regular e devem ser utilizados somente nos dias de treino

Quem faz operação bariátrica não consegue consumir quantidade de proteínas suficiente para a manutenção da massa muscular. Por isso, auxiliando a dieta pós-bariátrica, a suplementação diária é importante mesmo se o paciente não fizer atividade física. O foco é o baixo consumo e não somente a presença da atividade física.

Uma revisão sistemática recente com mais de 700 pacientes bariátricos mostrou que essa população não atinge o mínimo de 60 gramas de proteína, necessitando de um apoio do suplemento para atingir a recomendação mínima.

Mito 5: pacientes bariátricos devem consumir uma dieta pastosa para evitar a ocorrência de vômitos

Os pacientes precisam de uma dieta líquida após a bariátrica para auxiliar e proteger a cicatrização. Esse período ocorre nas primeiras até 4 semanas após a cirurgia, dependendo do procedimento e da rotina da equipe de profissionais que acompanha o paciente.

Após esse período, pode-se consumir uma dieta branda, que inclui alimentos de consistência normal, abrandados pela cocção, ou seja, alimentos de consistência normal, com hortaliças cozidas, frutas e carnes assadas ou cozidas. Após 45 dias, o paciente poderá incluir as fibras insolúveis: salada crua e casca de frutas.

A dieta pastosa não deve ser utilizada por muito tempo, pois pode interferir na perda de peso. Os alimentos pastosos não favorecem saciedade, com isso, o paciente poderá ter maior risco de perda de peso lenta ou insuficiente.

O que auxilia na prevenção dos vômitos são hábitos saudáveis, como comer devagar e mastigar os alimentos. Descansar os talheres entre as garfadas auxiliam na redução da velocidade da refeição.

Compartilhe esta postagem

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *